Bolão Imóveis Bruc Internet - Desenvolvimento de Sites e Sistemas Objetiva Imóveis
Pesquisar
...
 
Informações
... Cidade
... Como Chegar
... Esportes
... Turismo
... Galeria de Fotos
 
Endereços
... Clube
... Construtora
... Hotel
... Imobiliária
... Internet
... Cad. de Empresas
 
Notícias
... Destaques
... Esportes
... Geral
... Policial
... Política
... Rápidas
... Turismo
 
Serviços
...Imóveis
...Tábuas das Marés
...Previsão do Tempo
...Previsão das Ondas
...Cadastre-se
...Contato
 
Destaques
20/01/2009 :: Natureza intocada na Lagoa do Parado
Fonte: Gazeta do Povo
Em meio à Mata Atlântica paranaense, o destino – preservado pelo difícil acesso – esconde belezas raras da fauna e flora nativas.

No interior da Baía de Guaratuba, a natureza guarda um espetáculo ainda inexplorado pelo homem. Localizada na margem esquerda do Rio Cubatãozinho, a oeste da Serra da Prata, a Lagoa do Parado é considerada um paraíso em meio à Mata Atlântica paranaense.

Somente barcos pequenos chegam ao local. Acompanhada de duas biólogas do Centro de Estudos do Mar (CEM) da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Juliana Rechetelo e Luciana Festti, a equipe da Gazeta do Povo foi conferir as maravilhas da Lagoa. Guiada pelo barqueiro, Marcos da Silva, que mora há 36 anos no litoral paranaense, a viagem de duas horas foi iniciada em Cabaraquara, região onde opera o ferry boat que faz a travessia Caiobá-Guaratuba.

À caminho

O caminho já vale o passeio. No início, surpresas: de longe, uma ave cor-de-rosa chama a atenção. “É uma colhereira, chamada assim porque o bico se assemelha a uma colher. Com ele, o pássaro revolve o fundo dos ambientes aquáticos em que vive, em busca de alimento. No período reprodutivo, exibe essa bela plumagem cor-de-rosa”, explicou Luciana.

Mais adiante, outro pássaro raro cruza o caminho. “Trata-se de um socó-do-mangue, ave ameaçada de extinção no Paraná e outros estados brasileiros”, comenta Juliana.

Após 40 minutos no mar, o barco adentra as águas doces do Rio Guanchuma. Neste ponto, o mangue dá lugar a uma vegetação verde que em certos pontos apresentava flores. Mais à frente, o rio Cubatãozinho – companheiro que guiou a equipe até o destino. Antes de chegar, os curiosos ninhos de guaxos desviam os olhares para o alto das árvores – pendurados nos galhos, parecem pequenas sacolas feitas de gravetos.

Paraíso natural

As maravilhas do trajeto não ofuscam o espetáculo natural encontrado na Lagoa do Parado. “É com certeza o ambiente mais preservado em que já estive. É possível perceber isso pela vegetação e pela falta de indícios da presença humana”, explica Juliana, que pela primeira vez visitou o local.

No interior das águas, plantas aquáticas formam um emaranhado verde, com pequenas flores brancas. A água doce da lagoa é cercada por uma vegetação herbácea – verde e flexível – em que ficam escondidas várias espécies de pássaros. Mais adiante, as árvores retorcidas servem de apoio para as coloridas bromélias.

O local, cercado por montanhas, também é abundante em peixes. Jundiá, taravia, lambari e nhacundá compõem a lista. Estes, porém, não são os únicos animais: jacarés, lontras e capivaras, volta e meia são avistados na região.

Para completar a lista das belezas locais, o céu faz da água da Lagoa do Parado o seu espelho. Em dias em que não há nuvens, o cenário compõe um show à parte.

Fauna
Espécies de aves raras

Quem passeia pela Lagoa do Parado pode encontrar com facilidade a Jacana jacana (foto 1), espécie de ave comum nas lagoas e brejos do Brasil. Entre as suas características, o pássaro tem um detalhe no dedo que possibilita as caminhadas sobre as plantas aquáticas, pois divide o peso do corpo em uma larga base. Com sorte, é possível ver o raro bicudinho-do-brejo. Identificado há dez anos na região, a espécie de ave era ainda desconhecida da comunidade científica.

Por viver em ambiente restrito, foi reconhecido como espécie ameaçada de extinção pelo Ibama. O livro Threatened Birds of the World (Pássaros Ameaçados do Mundo) – que traz os nomes das aves em extinção – descreve o pássaro como uma espécie muito pequena, rasteira, e que foi descoberta escondida nos banhados e locais pantanosos da região. Por suas peculiaridades como o longo bico e plumagem cinza-chumbo, a ave não se enquadra em nenhum outro gênero já descrito.
:: Voltar ::
:: Indique esta notícia para um amigo(a)
:: Envie seus comentários a respeito desta notícia
Veja todas as notícias
| Destaques | Geral | Esportes | Policial | Política | Turismo |
Copyright © 1998 - 2008 Bruc Sistemas para Internet Ltda. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Bruc Internet
Patrocinadores